Cometas são, assim como os asteroides, corpos celestes menores. É estimado que suas origens sejam resquícios da formação do sistema solar. Os cometas possuem um núcleo de gelo e outros gases congelados. Quando se aproximam do sol apresentam uma atmosfera chamada coma, e alguns podem ter até uma cauda.

Coma do cometa

O coma de um cometa é a atmosfera que se forma ao redor do bloco de gelo graças à radiação solar. O gelo é afetado pelo Sol e forma uma “cabeleira” gasosa geralmente constituída pelo material do núcleo sublimado, que se mantém na atmosfera graças ao campo gravitacional do cometa. Apesar do núcleo poder variar só de 1 a algumas poucas dezenas de quilômetros, a coma pode chegar a milhares de quilômetros.

Cauda do cometa

ilustração das partes do cometa

Partes do cometa

A cauda do cometa é formada de uma maneira muito parecida com a coma, porém em extensão bem maior. Também é constituída pelos mesmos materiais da coma, mas não necessariamente todos os cometas possuem cauda. A coma é a características que os define. Durante sua orbitação, tanto o coma quanto a cauda diminuem à medida que vão se afastando do Sol.

Etimologia da palavra cometa

A primeira pessoa a usar um termo semelhante a cometa foi Aristóteles, que definiu esses corpos celestes como kometes. Kome vem do grego e significa “cabeleira” ou “cabelo da cabeça”. Cometes, a palavra em latim que deu o nome de cometa em português, deriva de Kome.

Tipos de Cometas

É possível dividir os cometas em três grupos:

  • Cometas periódicos: São aqueles que possuem uma órbita elíptica regular e que voltam para perto do Sol em períodos de 200 anos ou menos.
  • Cometas não-periódicos: São aqueles que foram vistos pelos humanos apenas uma vez. Sua órbita é irregular e só voltam para perto do Sol em períodos de milhares de anos, caso voltem.
  • Cometas extintos: São aqueles que não possuem mais cauda nem coma, por conta da radiação solar ou porque se chocaram com algum outro corpo celeste.

Trajetória dos cometas

Cometas podem enfrentar diversos empecilhos ao orbitarem o sol. Eles podem:

  • Sair/ser ejetados do Sistema Solar.
  • Colidir com outro corpo celeste.
  • Quebrar ou se desintegrar.
  • Evaporar todo o material congelado.

Quando o material congelado dos cometas é completamente exaustado, ele se torna apenas um pedaço rochoso. Sem os materiais voláteis que formam a cauda e o coma, ele torna-se algo muito semelhante a um asteroide.

Imagem ilustrativa que mostra a translação e formação da cauda do cometa

Translação e formação da cauda do cometa

Cometa Halley

O cometa Halley é um dos mais conhecidos. É um cometa periódico, passa pela Terra a cada 76 anos, em média. Ele orbita na direção contrária à dos planetas do Sistema Solar e está além da órbita de Netuno. O Halley foi descoberto em 1696, pelo astrônomo e matemático britânico Edmond Halley.