Urano é o sétimo planeta do Sistema Solar, o segundo mais distante do Sol. Em tamanho só perde para Saturno e Júpiter, e é o quarto planeta com maior massa. Pertence ao grupo dos gigantes gasosos, mas muitas vezes é classificado junto com Netuno como gigante de gelo, por conta de sua constituição atmosférica um pouco diferente dos outros dois planetas gasosos. Urano possui um dia sideral de 17 horas e 14 minutos, aproximadamente, e sua órbita em volta do Sol dura cerca de 84 anos terrestres. Uma característica de sua órbita é que ela é quase circular.

Planeta Urano

Planeta Urano

Estrutura e composição

Por ser gasoso, o planeta possui uma composição parecida com a de Júpiter e Saturno, porém em sua composição a presença de gelos é maior que nos outros dois planetas. Gelos de água, amônia e metano são os materiais que dão a Urano e a Netuno o apelide de gigantes de gelo. Estima-se que o planeta seja formado por três camadas: um núcleo sólido de silicatos, ferro e níquel, um manto de gelos e a atmosfera, formada em maior parte por hidrogênio e hélio. Existe também uma camada acima da atmosfera, onde ficam as nuvens.

Ilustração da estrutura de Urano

Estrutura de Urano

Apesar de Urano ter quase quatro vezes o diâmetro da Terra, o núcleo do planeta tem pouco mais da metade na massa terrestre. Urano também possui um sistema de anéis semelhante ao de saturno, porém bem menor. Foram identificados pelos homens apenas 13 e sua composição é, geralmente, de materiais muito escuros e partículas muito pequenas.

Satélites

Tem-se conhecimento de 27 satélites de Urano, e seus nomes foram escolhidos em homenagem a personagens dos autores William Shakespeare e Alexander Pope. Miranda, Ariel, Umbriel, Titânia e Oberon são conhecidos por serem os cinco principais satélites do planeta. A soma das massas dos satélites de Urano é menor que a massa dos satélites dos outros gigantes gasosos. O maior satélite de Urano, Titânia, não tem nem metade do tamanho da Lua.

Pesquisa e exploração

Muito confundido com uma estrela por seu brilho mais fraco, o planeta só pode ser visto a partir da Terra a olho nu em boas condições de observação. Diferente de outros planetas, ele não é conhecido desde a antiguidade. Em 1781, um astrônomo alemão observou e estudou Urano, primeiramente considerado-o um cometa. William Herschel motivou a observação e outros astrônomos finalmente definiram Urano como um planeta.

Fotografia de Urano pelo Telescópio Hubble

Fotografia de Urano pelo Telescópio Hubble

A exploração espacial de Urano começou em 1985, com a sonda Voyager 2, que sobrevoou o planeta em sua trajetória até Netuno. A sonda colheu informações importantes sobre composição, clima, campo magnético, satélites e o sistema de anéis. Em 2004, a observação do planeta começou a ser feita também pelo Telescópio Espacial Hubble, que obteve mais informações sobre os anéis.

Urano e cultura

Como é um dos planetas descobertos mais recentemente, Urano não possui muitas passagens em culturas e mitologias, em comparação aos mais antigos. Em homenagem a Saturno, o planeta foi batizado com o nome do deus grego Urano, que é pai de Chronos(semelhante grego ao deus romano Saturno). Apesar de seguir a tradição de nomear o planeta com nome de um deus, Urano é o único planeta que leva um nome derivado da mitologia grega e não da romana, mas os satélites de Marte também seguem o viés grego.